O cálcio é um elemento fundamental para o desenvolvimento da criança e do adolescente, pois exerce diversas funções metabólicas no organismo. Dentre as principais funções estão: participação da formação óssea, crescimento e ainda na ação de vários hormônios.
O metabolismo do cálcio por sua vez está ligado ao da vitamina D, que é formada em nossa pele através dos raios solares (ultravioleta). Esta vitamina D posteriormente é metabolizada no fígado e nos rins, através de enzimas, tornando-se ativa em nosso organismo e ajudando principalmente na mineralização e crescimento ósseo.
Mesmo sendo tão importante a maioria das crianças e dos adolescentes não consomem a quantidade necessária de cálcio, que é encontrado especialmente no leite e derivados (ex. queijos e iogurtes) e além disso, ficam pouco expostas ao sol. Cabe ainda recordar que no inverno quase não produzimos vitamina D devido ao tipo de raios solares. Esta ingesta insuficiente de cálcio e baixa exposição solar podem ocasionar várias doenças endocrinológicas, tais como: raquitismo, déficit do crescimento, baixa massa óssea na criança e osteoporose no adulto.

Tipos de Raquitismo
1 Nutricional – causado pela deficiência de vitamina D e/ou cálcio
2 Hipofosfatêmico – doença genética ligada ao cromossomo X, onde há perda de fósforo e que também pode comprometer o cálcio
3 Dependente de vitamina D tipo I – falha na produção da vitamina D ativa
4 Dependente de vitamina D tipo II – resistência à vitamina D ativa por alteração no receptor

Dos tipos de raquitismo citados, vale ressaltar que no Brasil o tipo mais comum é o nutricional, pela falta de exposição solar adequada que deveria ser em torno de 20 minutos ao dia e pela baixa ingesta de alguns peixes como salmão, sardinha e atum, e outros alimentos como cogumelos shiitake.
É frequente distúrbios do crescimento ou dores ósseas em crianças que consomem pouco leite e derivados. Nessas crianças e adolescentes é necessário fazer suplementação com cálcio, especialmente nas que usam somente o leite de soja e derivados, pois estes produtos, em sua maioria, não contém cálcio. As crianças com intolerância a lactose ou alergia a proteína do leite de vaca são as que possuem maior risco. Portanto é fundamental suplementar vitamina D e cálcio! Nas crianças com epilepsia ou que fazem uso de medicamentos anticonvulsivantes e as obesas também precisam suplementar, pois há uma alteração no metabolismo com maior eliminação da vitamina D e cálcio.
Enfim, é na infância e adolescência, que formamos a massa óssea, onde ocorre o estirão do crescimento, sendo assim um período crítico para uma boa ingesta de cálcio e vitamina D ou se necessário fazer suplementação para evitar doenças como a osteoporose.

photo credit: PeterThoeny Let's build a city via photopin (license)